Indústria têxtil reciclada

30/Apr/2020

A Lemar é uma empresa de tecelagem semi-vertical, com escritórios e unidade fabril, em Pevidém, Guimarães, criada em 1939 pelo avô da atual líder do negócio Manuela Araújo (CEO), que partilha este legado com os filhos do fundador, Armindo e Alfredo Araújo.

Nos seus primórdios, a empresa começou por produzir tecidos para as ex-colónias portuguesas em África, mas ao longo das décadas a modernização industrial que foi operando, permitiu-lhe novas estratégias de produção de tecidos para vestuário exterior.

O core business da Lemar tem sido a produção de tecidos para moda masculina de banho. Contudo, a atenção aos novos estilos de vida, tem permitido à Lemar entrar em novos segmentos, com qualidades inovadoras e acabamentos diferenciados, alargando a sua oferta de tecidos para activewear/sportswear, praia e casualwear, tecidos técnicos de alta performance, bolsas e malas, entre outros.

A produção, apresenta grande flexibilidade, permitindo tanto pequenas como grandes séries, não descurando os elevados padrões de qualidade pelos quais se pauta.
Os tecidos Lemar estão presentes em marcas de moda do mundo inteiro.
Na minha visita fui gentilmente recebida pelo Diretor Comercial, José António Ferreira, e por Miguel Pinto do departamento da Produção.
  
A minha curiosidade prendia-se com os tecidos ecofriendly, suas aplicações e como é que nós consumidores poderiamos assegurar que, de facto, estariamos perante um produto final sustentável.

Primeira grande lição: os produtos (peças de vestuário, calçado e acessórios) não são obrigados a ser certificados por qualquer entidade, para se apresentarem como sustentáveis, ecofriendly ou qualquer outra designação que nos assegure a menor pegada ecológica e maior responsabilidade social possíveis, na sua produção. Esta classificação é de total responsabilidade da marca dos mesmos, pelo que, o fundamental é mesmo sabermos olhar para as etiquetas, quer da composição, quer da origem da produção e fazermos o nosso juízo de valor.

Atualmente, existe a certificação de materiais (fios, tecidos, p.e.) como sendo reciclados, ou de fibras e tecidos orgânicos (p.e. algodão), através dos certificados internacionalmente reconhecidos GRS (Global Recycle Standard) e GOTS (Global Organic Textile Standard), respetivamente. O EU Ecolabel é o selo europeu da qualidade ambiental, também conhecido como Euro Flower, emitido pela Comissão Europeia e reconhecido em todos os estados membros da UE, bem como na Noruega, Islândia, Suíça e Turquia. O objetivo deste é rotular produtos (de todo o tipo, incluindo texteis) e serviços ecológicos em toda a Europa de maneira padronizada, não sendo, no entanto, obrigatório.

A Lemar produz tecidos sustentáveis, utilizando fibras recicladas e certificadas: Seaqual TM e New LifeTM. Esta última é 100% de poliester reciclado, enquanto que a Seaqual TM também é 100% reciclada, constituída por plástico retirado do fundo dos oceanos (no máximo de 7%, dada a limitação de resistência provocada pelo desgaste do sal marinho), e o restante por plástico de aterros e outras fibras de poliester.

Surpreendeu-me o facto de, independentemente dos acabamentos (p.e. tingimento) serem ou não ecofriendly, o tecido não deixa de ser considerado sustentável (?!).
As aplicações dos tecidos sustentáveis produzidos pela Lemar são inúmeras, desde roupa de banho e praia; sacos de praia; almofadas; sapatilhas; trench-coats, bombers e blusões; etc.

Imensamente grata por todo o conhecimento que me foi permitido obter nesta visita!